Tendinite não tratada pode ocasionar afastamento do trabalho

A tendinite é uma doença que chega devagar e só chama atenção quando os sintomas estão avançados. Tudo começa com um incômodo temporário durante a atividade laboral. No entanto, aos poucos a tendinite passa a limitar os movimentos do trabalhador, podendo incapacitá-lo totalmente. Isso acontece principalmente se a tendinite não é tratada e pode ocasionar afastamento do trabalho.

Os prejuízos provocados pela tendinite são imensos. As lesões por LER – esforço repetitivo privam o trabalhador de realizar tarefas simples e rotineiras. De acordo com os médicos especializados, hábitos comuns como dirigir, escovar os dentes, pegar o filho no colo se tornam verdadeiros desafios.

Além disso, sem o tratamento adequado, há possibilidade do trabalhador ter uma sequela permanente. Os requisitos e as avaliações exigidas pelo INSS, muitas vezes, promovem um retorno antecipado do trabalhador às suas atividades.

 

A tendinite como doença ocupacional

A tendinite faz parte do grupo de doenças conhecidas como LER – Lesão por Esforço Repetitivo e DORT – Doença Osteomuscular Relacionada com o Trabalho. Essa doença é uma inflamação do tecido que promove a ligação entre músculo e osso. Essa inflamação causa dores agudas e limita os movimentos do ombro, braços e mãos.

A tendinite é uma doença ocupacional de trabalho, pois se desenvolve através dos movimentos repetitivos e da exaustão do tendão. Consequentemente, o portador desse tipo de LER-DORT pode levar a incapacidade laboral e o afastamento do trabalho. Com isso, o trabalhador garante seus direitos aos benefícios previdenciários.

A tendinite incide sobre profissões que usam o mesmo grupo de tendões e músculo repetitivamente como cozinheiros, faxineiros, artesãos, professores, redatores, bancários, operadores de máquinas, digitadores, entre outros.

Além da tendinite, há outras doenças que compõem o grupo de LER-DORT. São elas:

  • Bursite;
  • Síndrome do túnel do carpo;
  • Tenossinovite;
  • Mialgias;
  • Síndrome do pronador redondo;
  • Dedo em gatilho;
  • Epicondilite;
  • Síndrome do desfiladeiro torácico.

 

Afastamento do trabalho por falta de tratamento

Após um dia de trabalho, boa parte das pessoas chegam em casa reclamando de algum dor específica: nas costas, no punho, no ombro ou nas pernas. Dessa forma, muitas vezes, o trabalhador não toma nenhuma providência e relaciona a dor apena a um dia cansativo.

No entanto, essas dores podem ocasionar uma inflamação nos tendões, conhecida como Tendinite. As causas da tendinite são variadas, mas as principais são: rotina estressante; postura no trabalho; mobiliário não adequado como mouse, teclado, monitor ou cadeira; tensão emocional etc.

Mesmo assim, é possível evitar a tendinite, tomando alguns cuidados na rotina do trabalho. Confira:

  1. Apoiar todas as costas no encosto da cadeira;
  2. Alternar 50 minutos de trabalho com 10 minutos de descanso. Aqui, se as pessoa trabalhe sentada, ela deve se levantar e fazer um caminhada pequena. Se trabalha em pé, ela precisa se sentar, de preferência elevando os pés;
  3. Fazer exercícios para alongar e relaxar durante a jornada de trabalho;
  4. Praticar atividade física pelo menos três vezes por semana.

Esses cuidados devem ser incorporados na rotina de trabalho. Além disso, se o trabalhador começar a sentir dores, precisa procurar um médico imediatamente. Quanto mais rápido o tratamento começar, mais fácil será para evitar que o quadro se agrave. Portanto, a tendinite não tratada pode ocasionar afastamento do trabalho, e até mesmo, uma aposentadoria precoce.

Precisa de um suporte?  Entre em contato agora mesmo com a nossa equipe!

CLIQUE AQUI PARA FALAR CONOSCO NO WHATSAPP



Deixe uma resposta

Chamar no Whatsapp
Chamar no Whatsapp
Olá!
Clique aqui para falar conosco via WhatsApp