PPRA: o que é e pra que serve?

A saúde ocupacional é fundamental para garantir a segurança dos colaboradores. O PPRA é o Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais que empresas são obrigadas a manter de acordo com a Norma Regulamentadora – NR 9. O PPRA legisla sobre os possíveis riscos químicos, físicos e biológicos que podem estar presente no ambiente de trabalho.

 

O que é PPRA e para que serve?

O PPRA trata dos riscos que podem ser encontrados no ambiente de trabalho. O programa trabalha com projetos, ações, práticas, iniciativas e técnicas para tornar o ambiente de trabalho mais seguro e saudável para todos os colaboradores. Ele influencia diretamente a performance dos trabalhadores no curto, médio e longo prazo.

Conforme escrito no item 9.1.5 da NR 9, os riscos ambientais que são considerados são:

Agentes biológicos – São agentes vivos como fungos, bactérias, bacilos, parasitas, vírus e protozoários.

Agentes químicos – São substâncias, compostos ou produtos que entram no organismo via região respiratória. Os principais são gases, vapores, fumos, poeiras, névoas e neblinas. Há outras substâncias que podem decorrer das atividades de exposição e podem ser absorvidas pelo organismo tanto por ingestão ou através da pele.

Agentes físicos – São formas de energia as quais os colaboradores são submetidos, tais como temperaturas extremas (baixas ou altas), ruídos, radiações ionizantes e não ionizantes, ultrassom, condições anormais de pressão, vibrações e infrassom.

Todos os riscos apontados acima precisam ser considerados pelas empresas ao elaborarem o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Isso vai garantir que se o colaborador for exposto à um desses riscos, será feito de forma segura, para que não haja prejuízo à saúde tanto indireta quanto diretamente.

Pra que serve o PPRA?

O PPRA deve ser uma prioridade nas empresas para garantir a saúde e a segurança dos colaboradores, proteger a própria companhia, cumprir uma responsabilidade social e atender os requisitos da Lei.

O Programa tem por objetivo antecipar, reconhecer, avaliar e controlar os riscos ambientais que há nos ambientes de trabalho. Dessa forma, o PPRA ajuda a tornar o local de trabalho mais seguro, preservando a integridade e a saúde dos colaboradores e os protegendo.

Estrutura do PPRA

De acordo com o 9.2 da NR 9, o PPRA precisa ter uma estrutura mínima:

  1. Planejamento anual, com prioridades, metas definidas e cronograma de atividades;
  2. Estratégia e metodologia para implementar o programa;
  3. Treinamento dos colaboradores;
  4. Monitoramento e avaliação do que foi proposto;
  5. Manutenção e registro dos dados coletados.

O PPRA deve estar descrito num documento-base que precisa ser analisado e apresentado na CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. Esse documento deve ser feito, pelo menos, uma vez por ano. No entanto, sua revisão pode acontecer a qualquer mudança, quando a empresa sentir necessidade em razão de alguma mudança nos riscos.

Empresas que são obrigadas a ter o PPRA

grupo bplan

Independentemente do porte, quantidade de colaboradores, segmento, grau de risco, todas as empresas são obrigadas a implementar o PPRA. Ao conhecer os riscos biológicos, químicos e físicos, muitos gestores podem entender que somente as grandes empresas são afetadas, mas isso não é verdade.

Além de uma obrigação burocrática, o PPRA tem uma relação direta com a eficiência, produtividade dos colaboradores. Por consequência, ao sucesso da empresa.

Os benefícios que o PPRA traz para as empresas são vários. Os principais são:

  1. Redução de acidentes;
  2. Diminuição de afastamentos;
  3. Redução de custos;
  4. Manutenção de uma imagem positiva da empresa;
  5. Diminuição de processos trabalhistas;
  6. Melhora do clima organizacional;
  7. Ausência de multas.

 

Gostou do conteúdo do PPRA? Quer saber mais esse assunto e como implantar na sua empresa? CLIQUE AQUI PARA FALAR CONOSCO NO WHATSAPP

grupo bplan


Deixe um comentário