O desafio do eSocial para os órgãos públicos

Desde julho de 2021 começou a ser implantando o eSocial para os órgãos públicos. O sistema tem como objetivo unificar o envido de dados sobre os funcionários ao Governo.

O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas também chamado de eSocial é obrigatório para diversos órgãos públicos que envolve autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista, fundações públicas e agências reguladoras.

Dessa forma, todos os órgãos da administração direta e indireta que contratarem prestadores de serviços, pessoas jurídicas ou físicas e tiverem obrigações previdenciárias, tributárias, estatuárias, trabalhistas, vão precisar enviar os dados por meio do eSocial.

 

O que os órgãos públicos devem enviar para o eSocial?

Há diversos eventos que os órgãos públicos devem enviar via o eSocial. São eles:

  • S-8299 (baixa judicial do vínculo).
  • S-2420 (cadastro de benefício/entes públicos/término);
  • S-2418 (reativação de benefício/entes públicos);
  • S-2416 (cadastro de benefício/entes públicos/alteração);
  • S-2410 (cadastro de benefício/entes públicos/início);
  • S-2405 (cadastro de beneficiário/entes públicos/alteração);
  • S-2231 (cessão/exercício em outro órgão).

No entanto, há outras informações que não precisam ser enviadas pelo sistema, mas seu cumprimento ainda é obrigatório diante da CLT. Saiba quais são:

  • S-2260 (convocação para trabalho intermitente).
  • S-2250 (aviso prévio);
  • S-2245 (treinamentos, capacitações, exercícios simulados e outras anotações);
  • S-2221 (exame toxicológico do motorista profissional);
  • S-1300 (contribuição sindical patronal);
  • S-1295 (solicitação de totalização para pagamento em contingência);
  • S-1250 (aquisição de produção rural);
  • S-1080 (tabela de operadores portuários);
  • S-1060 (tabelas de ambientes de trabalho);
  • S-1050 (tabela de horários/turnos de trabalho);
  • S-1040 (tabela de funções/cargos em comissão);
  • S-1035 (tabela de carreiras públicas);
  • S-1030 (tabela de cargos/empregos públicos);

 

15 obrigações num único sistema

grupo bplan

O eSocial para órgãos públicos unificou 15 obrigações que precisam ser enviadas para diversos órgãos do Governo Federal como Receita Federal, Caixa Econômica Federal, Previdência Social e Ministério do Trabalho. São elas:

  1. Folha de Pagamento
  2. GPS – Guia da Previdência Social;
  3. GFIP – Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social;
  4. MANAD – Manual Normativo de Arquivos Digitais;
  5. CAGED – Cadastro de Empregados e Desempregados, para fazer o controle de admissões e demissões de empregados que estão sob o regime da CLT;
  6. GRF – Guia de Recolhimento do FGTS;
  7. RAIS – Relação Anual de Informações Sociais;
  8. QHT – Quadro de Horário de Trabalho;
  9. CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho;
  10. DCTF – Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais;
  11. CD – Comunicação de Dispensa;
  12. PPP- Perfil Profissiográfico Previdenciário;
  13. LRE – Livro de Registro de Empregados;
  14. DIRF – Declaração do imposto de Renda Retido na Fonte;
  15. CTPS Carteira de Trabalho e Previdência Social.

 

O eSocial para órgãos públicos trouxe uma mudança significativa na rotina de trabalho. Por isso, é importante se atentar aos prazos e informações de cada fase que se estende até 11 de julho de 2022.

O descumprimento desses prazos é passível de sanções e multas previstos nas seguintes leis: Lei nº 12.873/13 (Legislação Fiscal), Lei nº 9.779/99, MP nº 2.158-35/01, Decreto nº 99.684/90 (FGTS), Lei nº 8.212/91 (Legislação Previdenciária) e Lei nº 8.036/90.

Quer saber mais sobre eSocial para órgãos públicos?  CLIQUE AQUI PARA FALAR CONOSCO NO WHATSAPP

grupo bplan


Deixe um comentário

Chamar no Whatsapp
Chamar no Whatsapp
Olá!
Clique aqui para falar conosco via WhatsApp